16 março 2012

A dor da partida

Ontem aconteceu algo meio triste. Alan viajou para o Brasil. Desde que o Luigi nasceu nos fomos inseparaveis. Ele foi o meu braço direito nessa caminhada nova. Nao so o braço, mas perna, mao, pé, cabeça e coraçao. Sempre esteve presente em cada momentinho-inho do Luigi nesse mundo.

Luigi nao sabia o que era estar sem o pai por um dia sequer, até o dia de hoje. Foram 5 meses de dias inteiros grudados. Entre abraços, beijos, cheiros, trocas de fraldas, banhos, sorrisos, choros e descobertas, muitas descobertas, passou-se o tempo. Alan teve o privilégio de acompanhar de perto t-u-d-o que aconteceu com o nosso filho nos seus primeiros meses de vida. Vacinas, primeiro sorriso, primeiro grito, primeiro banho, mudança do choro, primeira gargalhada(foi com o pai), etc.

Graças às circunstancias ele nao trabalhou nesses ultimos meses, e ficou aprendendo a ser pai, babando a cria. Curtindo o filho e a vida boa. (né?) Confesso que nem tanto. Tinham dias que ficavamos entediados, chatos, irritados. Eu nao sei ficar parada. A gente vivia buscando o que fazer. E menos mal, que cuidando do Luigi nos ocupava bastante tempo. Mas mesmo assim, senti falta de fazer algo produtivo. Sei la, foi gostoso, mas ficar de "férias" por 6 meses é complicado, quando nao se é aposentado e/ou milionario.


Tive dias de dilemas quando me irritava com o ocio e pensava em buscar trabalho. Era o meu eu-Milena contra o eu-mae:
"Milena, vai trabalhar menina, o tempo ta passando, voce ta ficando velha. Tem que se especializar. O mercado nao espera."
"Mas o Luigi ainda é muito pequeno, tenho que ter calma. Quando introduzirmos os alimentos solidos, volto a trabalhar". 



Alan acabava ficando muito tempo na internet. Chegou a fazer alguns desenhos em um programa especifico de movéis para o seu pai. Mas foi ficando cansado. A gente tinha grana guardada(Graças a Deus!) Economizando e nao gastando com besteira, conseguimos ficar bem por todos esses meses. Mas ai, chega o momento que a gente pensa: Poxa, poderia estar produzinho, e nao ficar vivendo com o botao "do pause apertado". Sei la.


Depois de muita conversa, muito dissernimento e coragem, resolvemos que iriamos ficar esse tempo longe. Achamos que essa seria a melhor decisao a ser tomada. Nao é tanto tempo assim vai, mas considerando que temos um filho recém-nascido, onde a cada dia ele muda e aprende algo novo, é uma eternidade. Serao no maximo 3 meses longe. Enquanto isso, Alan vai trabalhar com o seu pai. Eu e o Luigi vamos pro Brasil também!!!! ficamos aqui esperando o papai voltar.

Tivemos que tomar essa decisao, por varios motivos:
 1. A passagem do Alan de volta estava marcada pra ontem. Ja tinhamos remarcado uma vez, e para remarcar pagamos alguns euros.
2. Estamos esperando os documentos dos parentes do Alan(pais, avos, e bisavos) serem legalizados pelo Consulado Italiano no Brasil ha 5 meses. Sabe-se la quanto tempo mais vai demorar.
3. Como os documentos dele ainda nao chegaram aqui na Italia(ele é descendente e ta tirando a dupla nacionalidade), ele nao podia trabalhar.
4. Nao podendo trabalhar, ele nao pode pegar a experiencia na area dele.
5. O dinheiro um dia vai acabar
6. Em SP ele vai trabalhar com o pai dele, como antes, e assim além de nao gastar o que a gente tem guardado, ele ainda ganha mais.

Enfim, os pontos positivos eram muitos. E os negativos? A saudade.

Nao vou mentir, é estranho ficar longe, ficar "sozinha" com o Luigi. Ontem foi um dia triste pra mim. A cada pensamento, uma lagrima contida. A cada olhar pela casa, um vazio, uma lembrança. Uma dor. Como é ruim ficar longe né? Alan é meu cumplice. A gente conversa, ri, brinca, ri de novo, se abraça, concorda, discorda, se beija, faz carinho, diz coisinhas bonitinhas(ou nao!) dança uma dancinha muito da esquisita muito fofa e faz amor claro! todos os dias. Ele é aquele que eu nao quero perder nunquinha na vida.

Sinto falta. Mas ao mesmo tempo que a saudade bate em um lado. Do outro bate a razao, que diz: Se voces pensaram e tomaram essa decisao é porque voces conseguem tirar essa distancia de letra. E nisso eu acredito. A distancia doi, mas eu vou ganhar na loteria e vou la no Brasil buscar o meu amor! o tempo vai passar. E depois que passar, a gente vai ficar juntinho de novo e nunca mais se largar. Porque ficar juntinho, coladinho é muito mais legal de bom.

Amor, eu estou aqui. Vou sempre estar para voce. Obrigada por esse nosso amor tao bem construido. Obrigada por me amar. Trabalha bem muito ai, e volta logo pra gente. Ou se nao, a gente vai pra voce. Te amo, amo e amo. Porque nosso amor é awesome and legen (wait for it) dary.
p.s.: Assistir How I met you mother nao é a mesma coisa sem voce!