09 março 2012

A mãe que há na mulher

Entao amanhece o dia. E o dia é igual aos outros, exceto porque é 8 de março, dia da mulher.
Mas que mulher? A gordinha, de barriga gelenhenta, cabelo desarrumado, sobrancelha a ser feita, unhas dos pés com esmaltes descascados, e as das maos roidas. Que vive para o seu filho, dando-lhe peito, afeto, amor a cada hora que o mesmo solicita. Aquela que nao sabe mais o que é vida social,se arrumar, se maquiar, sair so com as amigas, ou com o namorado. Ou ser de verdade uma mulher.

Entao naquela manha, aquela mulher decidiu pintar as unhas, ou seriam cotocos de unhas(?). Arrumar o cabelo, fazer a sobrancelha, passar um corretivo naquelas olheiras que ja chegavam às maças do rosto, passar um batom vermelho extrategicamente combinando com os acessorios. Tirar aquela roupa quase nova do armario e aquele salto que ela nao usava ha tempos. Com a ajuda daquela cinta milagrosa(item indispensavel na vida de uma recém-parida de barriga gelenhenta viu?), ela se sentiria mais mulher.

Intimou o parceiro: " Meu amor, vamos jantar. Se arrume por favor. SEM o bebe!" Pegou a bombinha de tirar leite, começou a ordenhar. Bebe olha para ela. Ela olha pro bebe. Segundos de olhares sao interrompidos quando ela diz: "Filhinho, vamos sair so a mamae e o papai ta? Voce fica com a vovo. Serao apenas algumas horinhas, e voce provavelmente vai ficar dormindo." Bebe olha pra mamae e sorri com uma carinha encantadora. Mamae diz: "Nao, nao sorri assim nao vai" Bebe faz carinha de "Me leva mamae, vou sentir saudades" Mamae diz: "Nao. Esse momento precisa chegar, afinal mamae é uma, voce é outro." PONTO.

Mamae toda produzida, e trabalhada no salto alto, sai desfilando e SISINTINDO. Pensa: Poxa, agora sim, me sinto mais mulher! To bUnita hein! Agora vou chegar naquele restaurante com a auto-estima bem elevada. Andar devagarzinho(afinal, faz ano que nao sabe-se o que é salto nos pés). Sentar em uma mesa bonita de frente para o meu amor. Tomar um vinho enquanto o nosso prato nao chega. Soltar deliciosas gargalhadas sem me preocupar se o bebe esta com a fralda suja. E me deliciar na sobremesa como se fosse o ultimo doce da Terra.

Bom, naquela noite saiu tudo como o esperado. Foi tudo lindo e maravilhoso. O local, a comida, o vinho rosado, as luzes, inclusive o bebe que estava simpatississimo e calmissimo durante o jantar inteiro. PERA AI. Bebe? Que bebe? Ele nao ia ficar em casa? Pois é, era o plano. Depois daquele olharzinho e sorrisinho tentador, nao tinha como resistir e deixa-lo em casa né?. Ainda se fosse so o sorriso, sem o olhar, acho que conseguiria resistir. (Ele tem apenas 4 meses. Muito cedo pra ficar sozinho!)

Aquela noite passou tao rapida. Depois de umas horas fora, o cheiro de primavera exalando na rua, a lua maravilhosa, e a presença de seus dois rapazes(Um grande e um pequeno), ela se sentiu um pouco mais bonita, um pouco mais mulher, e olhem so: ainda mais mae. Ela sabe que um dia vai sair sozinha, com as amigas, maquiada, arrumada e de salto alto. Ou que vai ter uma noite a dois com direito a muita individualidade e zero fraldas cagadas para se preocupar.

Mas esse dia ainda nao chegou. Hoje ela sabe que mesmo feia, descabelada, com unhas mal feitas, roupas velhas, barriga gelenhenta e cheiro de gorfo impregnado, ainda é mulher. E isso é apenas uma fase maravilhosa da vida. Que maquiagem, secador, e CINTA estao ai para nos ajudar com essas crises pos-parto e fazer nos sentirmos mais bonitas, cheirosas e felizes.

Sorriso de mae é a coisa mais bonita de uma mulher. Mesmo acompanhando de muito cansaço, fraldas sujas, braços esgotados e olheiras nao bem-vindas. Afinal ser mulher vai muito além de mocinha tao bonitinha do pai. Ser mulher é viver com plenitude e felicidade cada fase que a vida da.