05 agosto 2012

Quando você muda.

As vezes dá vontade de ser solteira, não, não é nem de ser solteira, é de ser sozinha. De ir e vir quando quiser, de fazer o que quiser, topar quase tudo e dizer sim à vida jovem, vida vivida. Não costumo ser mente fechada, apesar de ter principios e opnião, gosto de ouvir, de ir.

Depois que você se torna mãe você não pode mais fazer o que der na telha, viver em festa, falar o que quiser ou ser quem você quer. Quando você se torna mãe você tem que se tornar uma nova mulher, você não é obrigada, mas o bom senso impera.

Tem que engolir seco, aguentar calada, esperar, ter calma e serenidade, ainda que forçada, que aprendida na marra. Tem que se privar, se poupar, cansar, se tirar da prioridade, guardar dinheiro, planejar, organizar.

A vida passa tão rápida que a gente nem percebe as mudanças, quando me tornei mãe, o meu mundo mudou, hoje sou muito mais racional, pés no chão, relevante, economica, racional, mulher.

Antigamente eu vivia de última hora. Vamos viajar? Mochila nas costas, alguns vinténs no bolso, cara e coragem e a resposta: VAMOS! Eu nem me importava onde ia dormir, se ia ter banheiro limpo ou comida gostosa. Teve bagunça com amigos eu tava dentro! Saia na sexta a noite para a casa de alguém e voltava no domingo a noite com uma prancha debaixo do braço e muitas roupas sujas na bolsa.

Eu quase sempre arriscava, contava com a sorte, não tinha medos, não tinha pensamentos negativos, vivia com sorrisos, com intensidade, com amor para dar e vender.

A vida me mudou. Ainda vivo com amor e intensidade, mas isso mudou. Agora tenho tantos medos, tenho receios, me porto, me contento, organizo o que falar, reprimo pensamentos e expressões, moldo como agir, modero sentimentos. E tudo isso para agradar, para não deixar alguém pensando mal, falando mal, para dar exemplo para o meu filho, para educa-lo.

A gente muda quando vê necessidade do mesmo. Eu sou feliz, eu amo minha familia, eu estou curtindo essa fase de mãe e esposa, mas isso não significa que as vezes não tenha vontade de fugir, me perder, e fazer o que der na telha. Ainda que seja apenas no mundo imaginário dos melancólicos minutos dos meus dias de TPM. Mudei porque chegou a hora, chegou o tempo e o amadurecimento.

Assim é a vida, você sempre vai mudar... E mudar, e mudar...